Caminho de Santiago: As lesões mais comuns.

O Caminho de Santiago pode ser um exercício simples para a maioria das pessoas. O desafio tende a revelar-se, para além do desgaste físico, mais mental do que corporal. Sentimos o cansaço, logo pensamos. Contudo, as lesões não deixam de ser possíveis, até para os mais preparados peregrinos. Apesar da maioria ser leve – como bolhas- é sempre importante ter cuidado e saber como evitar momentos mais desconfortáveis durante a peregrinação.

Como evitar as bolhas nos pés durante o caminho de Santiago.

No Caminho de Santiago as lesões ser desagradáveis. As tão incomodativas bolhas! Consomem tempo, disposição e, por vezes, até dinheiro. Nos piores casos, infetam, colocando em causa toda a peregrinação. No entanto, com as recomendações certas, são evitáveis. 

O primeiro a fazer é comprar os ténis certos.

A maioria das bolhas acontece pois, no momento da compra, decidimos pelas sapatilhas menos adaptadas ao percurso que vamos percorrer. Há duas situações a ter em conta: primeiro, o calçado tem de ser um pouco maior, comparado ao nosso pé. Por exemplo, se calças o 38, não te assustes quando sugerirem um número 40 na loja. É possível, até, que te sintas um pouco ridículo com uns ténis tão largos e desproporcionais, mas tem em conta o seguinte: Ao longo da caminhada os nossos pés incham. A sério! A culpa é a da gravidade. Quando passamos muitas horas a caminhar, esta puxa o sangue para as veias das pernas, deixando passar alguma água, causando o inchaço.

O que nos leva às bolhas. 

Qualquer frição repetitiva consegue causa-las! As bolhas não passam de reservatórios de fluído que protegem a pele quando esta está sob pressão. O que acontece, principalmente, se passarmos vários quilómetros por dia a andar. A combinação entre inchaço e bolhas é assim natural.

Por isso, em segundo lugar, o melhor conselho é mesmo: Para quando preciares. Às vezes pensamos que mais 5 ou 6 quilómetros, para quem já fez 20 no mesmo dia, não é nada. Mas o pior acontece sempre à chegada do destino. Uma bolha, se não permitir a continuação normal do percuros, pode infetar e é melhor perder um dia de caminhada do que o trajeto por inteiro.  

Por isso, com os ténis corretos, já bem estreados, meias secas e saber quando parar são as melhores indicações para prevenir bolhas.

Como evitar as dores nas pernas. 

Usamos dores nas pernas como nome genérico para qualquer dor que rode à volta da tíbia– o osso principal osso da perna. É, claro, comum em corredos, dançarinos e peregrinos.

Tende a acontecer devido a um excesso de esforço por parte do caminheiro. Por exemplo, fazendo 30 quilómetros (como a etapa que nos leva de Barcelos a Ponte de Lima) sem estar habituado. Apesar de ser desconfortável, a maioria dos casos pode ser resolvida com descanso e colocando gelo na zona infectada. 

Esta dor deve-se aos movimentos feitos repetivamente, como andar, principalmente com mais peso acumulado. Esta é a combinação do caminho de Santiago. Vários quilómetros por dia mais uma mochila pesada. 

Uma boa forma de evitar esta dor é distribuir a força pelo corpo. Por isso, a utilização de bastões ajuda a prevenir lesões desnecessárias, obrigando a uma postura correta por parte  do caminheiro. 

Dores no joelho 

As lesões no joelho são as mais complexas das que elencámos no artigo pois estão ligadas ao terreno que partilhamos com outros tantos peregrinos. Por este ser desnivelado- basta pensar nas estradas de terra batida, por exemplo,  ou nas descidas até Pontevedra-  obriga à articulação a dobrar-se e a desdobrar-se. O que vai contra a sua natureza inflexível. Isto, acrescentado ao peso das mochilas, é a oportunidade imperfeita para uma lesão difícil de acompanhar e cuidar. Obrigando, muitas vezes, a terminar o caminho mais cedo. Para prevenir, há que apostar numa caminhada auxiliada pelo bastão, que oferece uma estabilidade acrescida ao percuso. Antes do começo da caminha, é sempre boa ideia alongar um pouco. 

Caminho de Santiago: o que fazer em caso de lesão. 

Ainda que o caminho de Santiago seja um percurso seguro, feito por milhares de pessoas anualmente, não é impossível acabar o dia com uma lesão. Nesses casos é importante ter sempre à mão o cartão de seguro de saúde da União europeia, se fores cidadão europeu. Facilita a entrada nos hospitais e pagas apenas o que pagarias no teu país de origem. O que pode significar uma poupança!

Qual é para ti a pior lesão no Caminho de Santiago? Partilha connosco! 

4 Responses
  1. Maria Teixeira

    No meu caso tive uma lesão no joelho, de um momento para o outro fiquei quase sem andar, o que me valeu foi o bastão, mas terminei o meu caminho de uma forma muito dolorosa. Mais tarde ressonâncias feitas detetaram uma lesão na rótula. Ainda hoje não sei como é que a fiz.

  2. Andreia Carina Cruz Santa Maria

    Olá eu fiz o caminho recentemente e sinto me muito grata não tive mazelas, só dores musculares, inchaço dos pés no final do dia. Para as dores recomendaram me ben u ron e cremes por ex voltaren. O inchaço dos pés, descanso e muita hidratação (cremes gordos como vaselina ou Nivea) e resultou, mas cada pessoa tem a sua forma de tratar das lesões. Levei botas de caminhada usadas e caminhei e corri antes de fazer o caminho, não só para o caminho mas porque a actividade física para mim é importante. Bom caminho

  3. Graça Almeida

    Em Abril deste ano, ao fazer o Caminho das Geiras e Arreeiros, depois de passar as etapas tecnicamente mais difíceis, até Castro Laboreiro, numa fase simples, mesmo ao chegar a Cortegada, pousei o pé numa pedra que resvalou e fiz um luxação grave no tendão tornozelo direito, apesar de usar botas espectaculares, Salomon.
    Não satisfeita, continuei no dia seguinte, só com Brufen 400, Voltaren e gelo.
    Passadas que estão 2 semanas após voltar a Portugal, tive de consultar ortopedista, estou em casa sem trabalhar hà 2 semanas e, ainda não consigo esticar completamente o tendão.
    Tratamento: repouso, não usar calçado raso, Naproxeno 500, 3X/dia mergulhar pé em água fria com sal e Fisiocreme.
    Fica a dica.

  4. Mario

    No meu 1°Caminho o Central desde Lisboa a lesão foi na Canela , parei 30 minutos para descansar e comer qualquer coisa ,de volta ao Caminho e ,passados 500 metros de volta deu me uma dor intensa na canela , ainda me arrastei até ao albergue,coloquei gelo e tomei algo para as dores, no dia seguinte ainda fiz a etapa depois fiquei parado 3 dias à espera que melhora se , como tal ñao aconteceu fui para casa.
    No Caminho da Costa foi o gelo nos passadiço que me fez tombar e torcer o tornozelo. Já vou no meu 4 Caminho realizado na totalidade,há dias assim….

Leave a Reply