6 razões para fazer o Caminho de Santiago

Porquê fazer o caminho de santiago de Compostela? Vamos começar pelo início, percorrer o Caminho de Santiago não é pêra-doce. Do Porto até ao nosso destino são 260 quilómetros, se não nos engarmos pelo trajeto. Por isso, temos de estar motivados e empenhados na missão em frente.

A recompensa depois de fazer o caminho de santiago.

Não faltam razões para fazer o Caminho de Santiago, mesmo sendo um desafio para muitos peregrinos. Antes do percurso começar percebem que têm de se preparar para algumas situações como fazer a mochila, comprar bilhetes de transportes e, por vezes, reservar, antes, os alojamentos onde ficar.

Todos estes pequenos entraves podem tirar um pouco de vontade aos futuros caminheiros. Assim sendo, deixamos aqui 6 motivos para fazer o Caminho de Santiago. Lê nos momentos mais difíceis, posteriores à ida e, até, durante o percurso e vais ver que o processo se torna mais fácil!

1. É um desafio físico e mental.

Quem não gosta de um desafio? Como um jogo, no Caminho de Santiago, estamos sempre a atingir novos objetivos e a tentar chegar mais longe. No entanto, seja qual for o nosso estado físico, uma caminhada deste tamanho é difícil. Não só temos de andar vários quilómetros por dia (há pessoas que até fazem 50 diários), como também o temos de fazer, muitas vezes, com um sol abrasador por cima de nós e bolhas nos pés.  

O melhor conselho a dar é: A viagem adapta-se a nós. Podemos percorrer todo o percurso a pé, de bicicleta ou mesmo a correr – ou até mesmo uma combinação dos três. Imagina alguém que anda mal de bicicleta, decide fazer o caminho com este meio de transporte. É uma aventura nova, que nos obriga a ser melhores todos os dias.

 O importante é estarmos empenhados no nosso propósito e nunca exceder os nossos limites. Sejam eles físicos ou mentais.

Pessoa a fazer o Caminho de Santiago sozinha.

2. É um momento religioso, para muitos peregrinos.

Nem todos os peregrinos são pessoas religiosas, mas o Caminho de Santiago tem uma vertente histórica ligada ao cristianismo. Podes ler o nosso artigo sobre a história do percurso, aqui. Mesmo os agnósticos e ateus, ao percorrer a travessia, dizem sentir algo dentro de si. Seja pela viagem, pela companhia ou pela sensação de missão cumprida, a chegada à Capital da Galiza e os destinos que nos levam até lá impressionam qualquer um. É um espaço de autodescoberta, dos nossos limites e das nossas ambições e é apenas natural sentir tantas emoções durante o caminho. Uma espécie de magia que nos deixa aficionados ao percurso.

3. Um ginásio ao ar livre e bem mais barato.

Alguns de nós, incluído quem vos escreve, passam muitas horas sentados numa secretária à frente de um ou mais ecrãs de computador. Desta forma, o Caminho de Santiago é uma maneira de fugir à rotina e, no processo, conseguir os tão necessários 10 mil passos recomendados (não te preocupes, farás muitos mais todos os dias).

Andar, seja a pé, de bicicleta ou a correr, 25 quilómetros por etapa é exercício que puxa por qualquer pessoa. Se o objetivo for perder peso, então, estás no caminho certo, que um dia a palmilhar leva à perda de calorias suficientes para não nos preocuparmos com aquele almoço mais pesado. 

4. Fazer o Caminho de Santiago é uma nova forma de fazer turismo.

Turismo há muito. Há pessoas que preferem passar uns dias na praia a descansar, outras, a ir para os alpes suíços (ou na Serra da Estrela), para se divertirem na neve. Os peregrinos juntam o melhor do planeta e juntam turismo cultural/rural/religioso num pacote de desporto e aventura recheado de maravilhosas paisagens por todo o percurso.

Vais aprender a revisitar como, em tempos antigos, as viagens eram feitas e conhecer milhares de lugares que nunca na vida pensarias visitar. Pequenas aldeias num Portugal remoto e escondido ou uma igrejita no meio de uma povoação que se criou à volta desta. São memórias destas que fazem o Caminho de Santiago tão especial. 

5. Vais conhecer muitas pessoas novas.

Bom para os mais tímidos trabalharem as suas capacidades sociais e ótimo para os extrovertidos, já que o Caminho de Santiago está repleto de pessoas. Seja nas cidades, povoações, cafés ou mesmo no percurso, é verdade quando nos dizem: “Nunca se faz o Caminho sozinho”.

Temos casos de amizades forjadas a caminhar que duram uma vida inteira e, certamente, haverá casos de amores construídos pelo percurso. O espírito do Caminho, o sentimento de pertença a uma comunidade facilita as ligações entre os peregrinos. Como uma nação, os laços aqui criados são difíceis de quebrar, pois são alimentados por uma conquista comum.

Podes criar amizades ao fazer o caminho de Santiago

6. Vais ter momentos de reflexão a fazer o Caminho de Santiago.

Por fim, fica o aviso: o caminho consegue ser solitário. Há quem o faça em silêncio, até, e é um momento para colocar as nossas prioridades em ordem, pensar no futuro. No que queremos para a nossa vida e, principalmente, no que não queremos.  

Este processo de auto-conhecimento é apenas possível, para muitos dos peregrinos, no Caminho de Santiago.  É o local e o espaço no qual podemos desligar-nos do mundo, afastados da azáfama das cidades, das cidades e, de certa forma, das responsabilidades do “real”. Este é um privilégio e permite-nos voltar à sociedade como novos, com objetivos claros e com uma energia pronta para a ação.   

Então, por que fazer o Caminho de Santiago?

Porque é uma experiência única. Seja qual for a motivação principal, todas são válidas. Seja o percurso religioso ou, apenas, uma vontade de dormir em albergues, o importante é as recordações que o trajeto deixa a qualquer peregrino.

1 Response

Leave a Reply