Etapa 4: Marinhas – Viana do Castelo

Subscrever a Newsletter
Subscrever a Newsletter
Nome*
Email*
* Concordo com os Termos de Utilização e Privacidade.
Please agree to all the terms and conditions before proceeding to the next step
Save To Wish List

Adding item to wishlist requires an account

1852
  • 6 horas
  • Quilómetros
    23.9 km
  • Montanhoso
  • 6
  • 425 m

A etapa Marinhas – Viana do Castelo marca a primeira diferença direta entre o caminho português da costa e o central. A partir deste momento, podemos escolher qual a travessia que preferimos. Se caminhar à beira mar, se nos aventuramos nas montanhas altas de Portugal. 

Em ambos os casos temos uma travessia média, sem grandes dificuldades de maior. Algumas subidas após a capela de Nossa Senhora dos Remédios podem fazer os nossos gémeos queixar-se um pouco ao fim do dia, mas nada de outro mundo. Também a ponte que nos liga a Viana do Castelo pode ser aborrecida e perigosa, no entanto, há formas de a contornar.

 

Saída:

Chegada:

Onde comer

Onde Dormir

Marinhas - Viana do Castelo: Itinerário

A: Marinhas

Marinhas é ainda próxima da estrada principal que nos leva a decidir entre ir pelo mar ou pelas montanhas. A ideia é seguir sempre em frente até(como é habitual) encontrarmos a setas amarelas. Haverá momentos em que é necessário ter extrema atenção em relação aos carros que passam.

B: Igreja Velha de São Bartolomeu do Mar

Esta igreja de inspiração medieval do século XVII partilha com os peregrinos um espaço para cismar a interessante arquitetura de várias dos monumentos do norte português. Esta combinação de azulejo azul e origens humildes fazem lembrar a tradição portuguesa de fazer muito com pouco. 

C: Capela Nossa senhora dos Remédios/ Zona de descanso - peregrinos 

Após uma subida pouco habitual por estas andanças, quanda a água começa a saber mais tenra do que o habitual, temos aqui um espaço com uma igreja ao lado que nos permite descansar e recolocar o cantil de regresso a casa.

D: Comércio orgânico 

Apesar de passarmos por locais mágicos, como a igreja X ou por paisagens lindissímas, aque se demonstra o verdadeiro espírito do caminho. Um local sem ninguém no local, como comida, água e refrescos e cadeiras. Basta tirar o que nos apetece e decidir o que pagar. Obrigado.

E: Viana do Castelo 

Após uma ponte longa e estreita(que pode ser evitada) ao apanhar um ferry para a cidade, chegamos a Viana do Castelo. Esta etapa, apesar de ser longa, não é difícil. O albergue é logo do outro lado da linha de comboio e, para quem tiver energia, deve ir dar um passeio à cidade que merece a visita.

Póvoa de Varzim - Marinhas: Mapa

Perguntas Peregrinas.

A partir da Sé do Porto não me perco?

Em princípio não! As setas amarelas estão bem identificadas no chão. Se por acaso estiveres na dúvida basta olhar em volta e ver em que direção os restantes caminheiros estão a ir. Outra ideia é perguntar a alguém como ir em direção à igreja do Carvalhido. 

É seguro fazer o caminho sem companhia?

Os incidentes tendem a ser mínimos e muitas pessoas fazem o caminho sozinhas. No entanto, a segurança pode ser subjetiva. Muitos caminheiros fazem o caminho, por isso, em caso de receio podes sempre pedir ajuda. 

Depois deste troço, há mais natureza?

Esta é a etapa mais urbana do percurso português. À entrada de Vairão é notável a diferença de paisagem natural.